segunda-feira, 19 de abril de 2010

Descida da Serra Mogi-Bertioga, de Bike.

Descida da serra Mogi-Bertioga, de Bike
No dia 18/04/2010 eu, o André e o Tadeu descemos a serra Mogi-Bertioga, em nossas bikes.

Eu e o Tadeu fomos de trem até a estação Mogi das Cruzes.

O Trajeto começou no metrô linha Azul. Fomos até a estação Luz e pegamos o Trem sentido Guaianases, chegando em Guaianases pegamos o trem para Mogi das Cruzes. Ao todo o percurso levou em torno de 1 h e 30 min.

Tomamos o metrô às 7:10h e chegamos a Mogi das Cruzes por volta das 8:40h.

Na estação de trem Mogi das Cruzes encontramos o André e a Lourdes, que estava lá para ser o nosso apoio, de carro.

Partindo da estação até a rodovia Mogi das Cruzes Bertioga, são aproximadamente 6 km, depois 40 km até o final da serra.

Descida da serra Mogi-Bertioga, de Bike
O trecho é todo de asfalto, em muitas partes não tem acostamento, o que nos obrigou a pedalar no meio-fio.

Durante a descida pode-se apreciar muita paisagem, o que inclui a passagem por cima de um belo riacho, que só quem tem o privilégio de estar sobre uma bike consegue ver, há um restaurante no caminho e também o monumento d’ água, onde é possível reabastecer a caramanhola com água da fonte, um pouco mais a frente pode-se ver a cachoeira da serra, parar para apreciar o belo visual, tomar um lanche e seguir em frente.

O asfalto da serra é muito bom, o cheiro de mato é maravilhoso e a sensação de liberdade é revigorante.
Durante a descida não encontramos nenhum outro ciclista descendo, mas haviam alguns subindo a serra.

Não pense que você irá apenas descer a serra  tranquilamente, pois até chegar a grande descida é necessário enfrentar vários trechos de subidas, em sua maioria suaves. Apenas a última é um pouco mais difícil.
Descida da serra Mogi-Bertioga, de Bike

Claro que é necessário tomar um mínimo de cuidado para não ser atropelado, afinal estamos num país onde as leis de trânsito não são respeitadas e também tem muita gente ruim de volante que acha que sabe até correr.

Descida da serra Mogi-Bertioga, de BikeEntão, cabe a cada um pedalar com atenção redobrada, principalmente nos trechos sem acostamento. Muitos acham que lugar de bicicleta é na calçada, mas pelas leis de trânsito lugar de bicicleta é nas vias, assim como as motos e os carros.
Eu já ouvi o absurdo de dizerem que as bicicletas atrapalham o trânsito!! Pasmem!!

Voltando ao privilégio de ser ciclista, quando se chega ao final da serra há um trecho de aproximadamente 10 km até Bertioga. Este também foi tranqüilo, até porque a presença do acostamento era constante.

Quando chegamos em Bertioga o nosso apoio já estava lá nos esperando, tomamos um sorvete, apreciamos um pouco a brisa da praia e seguimos de carro para São Paulo.

Eu aplaudo: A beleza da serra, a facilidade de acesso, o cheiro de mato, a cachoeira, a visibilidade que só os ciclistas tem, a companhia dos meus amigos e o maravilhoso dia de sol.


Eu jogo tomates: Nos motoristas que passam em alta velocidade, e que muitas vezes precisam frear bruscamente porque quase não conseguem fazer as curvas, nas pessoas que jogam lixo no chão, nas pichações feitas no monumento d'água, no surto de dengue do litoral.

Mais fotos

Veja o vídeo

Leia também:
Caminho do Sol de Bike -> 241 km - O objetivo
Caminho do Sol de Bike -> A Preparação
Caminho do Sol de Bike -> O início e a 1ª noite
Caminho do Sol de Bike -> O 1º dia de aventuras
Caminho do Sol de Bike -> O 2º dia de aventuras
Caminho do Sol de Bike -> O 3º dia de aventuras
Caminho do Sol de Bike -> O 4º dia de aventuras
Pedal em Itu - Trilha do Limoeiro
Pedal pelo centro histórico de São Paulo
Cicloturismo - Dicas de Segurança

5 comentários:

  1. ai, roseli! esse seu blog é uma tentação;)

    quando comecei a ler seu relato, fui tomada por uma necessidade de fazer esse percurso a pé, correndo!

    tira uma dúvida pra mim: só tem um ponto de apoio na mogi-bertioga, aquele restaurante que você mencionou? você lembra se há postos de combustível ao longo do percurso?

    estou com vontade fazer um longão dos bons por lá, saindo da estação até bertioga, e de lá voltar de ônibus para são paulo!

    bjs
    http://elismc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Elis, Obrigada ! Que bom que você curte!
    Esse passeio é realmente especial. Eu não me lembro de terem muitas paradas no caminho, não. É um posto ou outro. Não conte muito com isto.
    Ma faça o seu longão. Vá preparada que você vai curtir bastante. Ou se preferir, que tal subir numa bike e descer na magrela?

    ResponderExcluir
  3. ih, roseli, nem magrela eu tenho...
    minha filha tem uma aro 20 da caloi que eu andei experimentando um dia desses, só pra matar a saudade dos meus tempos de infância...

    vou começar fazendo o percurso a pé mesmo... pra quem não tem prática com bike, acho que é mais seguro, por se tratar de uma rodovia onde você mesma constatou que os motoristas abusam da velocidade;)

    muito obrigada pelas informações, roseli!
    o relato de suas viagens e passeios de bike sempre desperta em mim a aventureira adormecida, e eu fico com uma vontade doida de explorar o mundo inteiro;)
    simplesmente delicioso!

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Wow! Texto inspirador, hein?

    Estou pensando em fazer este percurso junto com um colega, quase o mesmo trajeto (metro+trem) descendo a serra até Bertioga, onde iremos para a Prainha Branca.

    Sou averso aos "mautoristas" e pelo mesmo motivo temo um pouco tal rodovia. Mas se Deus quiser, pedalaremos até o litoral.

    Um abraço e ótimos pedais!

    Adriano

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Adriano. Faça, sim este percurso.
    É uma experiência e tanto! Mas tome muito cuidado, principalmente na descida e nos trechos sem acostamento. Nossos "mautoristas" ainda não sabem o que é uma bicicleta e passam por cima, se dermos mole.
    Fico feliz que tenha gostado do texto.
    Volte sempre.
    Roseli

    ResponderExcluir